Movimento Policiais Antifascismo lança manifesto político

Policiais Antifascismo
O Movimento dos Policiais Antifascismo é um campo de atuação política, não institucionalizada e suprapartidária, formado por trabalhadoras e trabalhadores do sistema de segurança pública, representados por policiais civis e militares estaduais e federais, bombeiros, guardas municipais, agentes penitenciários e do sistema socioeducativo.

Reunidos nos dias 28 e 29 de setembro de 2017, na cidade do Rio de Janeiro, em plenária final do I Seminário Nacional dos Policiais Antifascismo, na sede da OAB-RJ, deliberamos o presente Manifesto, visando divulgar as nossas pautas e reivindicações para conhecimento de todas as categorias policiais, movimentos sociais e instituições interessadas na luta antifascismo e na construção de uma sociedade mais justa.

1) O fascismo é um modo de vida, que se manifesta como reação violenta de ódio às diferenças. Ele aponta a guerra, as armas e o sistema penal como solução para problemas sociais, esvaziando as ações politicas que efetivamente podem realizar transformações sociais. O Movimento Policiais Antifascismo se coloca, neste momento histórico de crescimento do autoritarismo no Brasil, como uma força viva contra estas manifestações, na perspectiva da construção de uma política de segurança pública democrática e pautada na garantia dos direitos humanos para todos.

2) Policiais devem ser construídos como trabalhadores! O reconhecimento do direito de greve, de livre associação, de livre filiação partidária, bem como o fim das prisões administrativas, são marcos nesta luta contra a condição de subcidadania à qual muitos policiais estão submetidos. Acreditamos que este é o único caminho pelo qual policiais possam vir a se reconhecer na luta dos demais trabalhadores, sendo então reconhecidos por toda classe trabalhadora como irmãos na luta antifascismo.

3) Não estamos em guerra! Qualquer tentativa midiático-policial de construir tal discurso como política pública tem por objetivo legitimar as políticas racistas de massacre, promovidas pelo Estado contra a população negra, pobre e periférica de nosso país. Tal política belicista acaba também por vitimar policiais, que operam na base das corporações do sistema de segurança, recrutados nos mesmos estratos sociais daqueles que são construídos como os seus “inimigos”.

4) A desmilitarização da segurança pública se coloca como uma pauta urgente. Somos contra a participação das Forças Armadas em ações de segurança e defendemos a desvinculação das policias militares estaduais como forças auxiliares do Exército. Não podemos mais aceitar que policiais sejam reduzidos à condição de soldados, despido de muitos dos seus direitos como cidadãos e trabalhadores, ao mesmo tempo em que se estabelece um modelo de segurança pautado em ações militares violentas e letais contra a nossa população.

5) É preciso por fim às politicas de proibição das drogas, que tem servido como dispositivo da militarização da segurança, sob o falso argumento de proteção à saúde pública. As ações militares contra o comércio das drogas feitas ilícitas acabam por gerar um quadro de destruição e de dor, principalmente nas populações pobres. A proibição das drogas mata mais do que o consumo das drogas, revelando assim a irracionalidade deste modelo proibicionista.

6) O Movimento Policiais Antifascismo coloca ainda como urgência o debate sobre a reestruturação das forças policiais em nosso país, através da abertura do diálogo horizontal entre todas as categorias de trabalhadoras e trabalhadores da segurança pública com a sociedade. É preciso discutir a hierarquização das forças policiais, que cria um sistema de castas que permite privilégios àqueles que estão nas cúpulas, em detrimento do trabalho árduo e sem proteção daqueles que estão em contato com o dia a dia da população. Pautas como o ciclo completo, carreira única, unificação das policias, entre outras, que hoje tramitam em projetos de emendas constitucionais do Congresso, devem ser amplamente discutidas por todas as categorias policiais e não apenas no interesse daquelas que se encontram na direção e comando destas corporações.

7) Entendemos, por fim, que estas pautas e reivindicações atendem aos interesses das classes policiais trabalhadoras, bem como aos anseios de todos os setores progressistas da sociedade, que desejam e lutam por uma vida não fascista em uma sociedade justa e igualitária.


#Compartilhar:

17 comentários to ''Movimento Policiais Antifascismo lança manifesto político"

Comentarios
  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Feliz em saber que encontrei um site com policiais pensantes , pois também sou e estou preocupada com a atual conjuntura política em nosso país .

    ResponderExcluir
  3. Deixa eu entender!!! então quer dizer que vcs querem um estado sem política e sem Polícia (tipo o manifesto comunista de Marx e Angels)??? É isso mesmo ou eu estou louco? E por isso que nós policiais estamos fadados ao fracasso!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comunismo não é um estado sem polícia ou sem política, mas sim a destruição do estado.
      O que eles pregam é o socialismo, processo revolucionário que é representado por um estado, que ao mesmo tempo constrói o comunismo.

      Excluir
  4. Jamais poderia imaginar que existiria um site desses. Tinha certeza que no Brasil haveria policiais dignos, com responsabilidade cívica e diferente do estilo "Datena" de ser.

    ResponderExcluir
  5. Tá me zoando?
    Quem escreveu isso vive no mundo do faz de conta?
    Não estamos em guerra? Estamos na Disney, dando as mãos e sorrindo com o Mickey! 😒

    Vc vê que o negócio não é sério qdo escrevem fascismo, periférico... Só mais um mimimi esquerdista!

    Vc que se diz policial, só pode trabalhar na ADM pra pensar uma sandice dessa! Sobre as drogas... Tá de brincadeira? Fuma maconha? A luta contra as drogas não tem fim. Antes da luta do estado, tem uma família que sofre com filho viciado em casa! Esse filho que rouba pra se drogar ou faz coisa pior.
    Acha que legalizando vai diminuir a violência? Engano seu!
    Droga legal paga imposto. A droga legal só beneficia quem tem $ e não precisaria subir favela, andar no meio do pobre, e ter que lidar com bandido.
    A droga ilegal não tem imposto, e o pobre viciado vai preferir comprar lá na boca. Nada vai mudar.
    Cigarro é legal e tem comércio ilegal. A PRF combate o cigarro ilegal nas estradas constantemente!
    A única lucidez é no 6, sobre praças e oficiais. Do resto, rasga e joga no lixo, pq não tem o apoio da maioria dos policiais.
    Isso é uma piada pronta.
    Pior, policial comunista? Comunista n gosta de policia!
    É que nem água e óleo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não li no texto qualquer referência a comunismo. De onde você tirou isso? Quanto a política de drogas atual, só não vê que ela é um fracasso quem não quer. Os estados unidos, país no mínimo mais organizado que a gente, declarou guerra às drogas na década de 70 e por intermédio do presidente Richard Nixon. Pergunto a você: nos 40 anos que se seguiram a esta política como ficou o tráfico nos estados unidos? Melhor ou pior? Diminuiu ou lamentou? Se você já não sabe, ou se não quer nem saber, eu lhe respondo. Os estados unidos têm a maior população carcerária do planeta terra,mesmo sendo só o quinto país mais populoso do mundo. Você acha que os caras prendem pouco? Porém eles continuam sendo o maior mercado consumidor de drogas do mundo. Responda por favor: a guerra funciona?

      Excluir
  6. Que bom que encontrei vocês. O desafio é enorme, mas de que vale a pena viver sem tentar. Estamos juntos nessa.

    ResponderExcluir
  7. Um texto e discurso muito sóbrio e responsável. E um alívio saber que, há policiais com consciência de classe e racionais.

    ResponderExcluir
  8. Perfeito! A guerra às drogas já se mostrou fracassada. É preciso mudar! Ao mesmo tempo faz-se necessário investir em inteligência para investigar e punir os responsáveis na raiz, sem a necessidade de derramamento de sangue nas zonas periféricas. Saudações de um policial civil pensador de Pernambuco.

    ResponderExcluir
  9. Sou filha de um dos maiores apoiadores do fascismo e do Coiso, combato o fascismo e todo tipo preconceito, e vou morrer combatendo isso, atualmente respondo a alguns processos criminais por falar a verdade sobre a vida podre dessas pessoas fascistas. Parabéns pela página, conte sempre comigo.

    ResponderExcluir
  10. Sou inspetora de polícia no interior do RS.O movimento tem meu apoio.

    ResponderExcluir
  11. Como posso fazer pra ajudar? Existe algum contingente em Fortaleza?

    ResponderExcluir
  12. Ainda há esperança pro nosso Brassil. Por mais policiais desse nível. Que lutam pelo certo. Que acreditam no juramento que fizeram a nossa bandeira. Viva a democracia. Viva o Brasil. O Brasil é dos brasileiros de verdade.

    ResponderExcluir

‹‹ Postagem mais recente Postagem mais antiga ››